domingo, 25 de outubro de 2009

A semana em Montréal

A luta política das línguas ressurge de tempos em tempos. A famosíssima Lei 101 (La charte de la langue française) estabeleceu em 1977 que a única língua oficial no Québec é o francês. Nas escolas públicas, há uma longa lista de requisitos que um aluno deve possuir para ter o direito de ser educado em inglês. Com isso, muitos pais ficaram descontentes (alguns brasileiros com filhos que eu conheci morando aqui nem admitiam a hipótese do filho não ser educado em inglês), e alguns deles passaram a usar uma brecha jurídica para escapar da situação: os pais matriculavam os filhos em escolas particulares em inglês por alguns meses, e garantiam o direito que a criança tem de terminar de receber sua educação na mesma língua em que começou. Direito assegurado, os filhos eram matriculados no sistema público. Em 2004 veio a lei 104 para fechar essa brecha. Mas essa semana a Suprema Corte canadense declarou a lei 104 inconstitucional, e o Québec vai ter que obedecer e mudá-la, provavelmente tentando chegar num acordo no meio termo.
Eu estou do lado do Québec. A língua oficial é o francês e pronto, mas é difícil acomodar os anglófonos sem deixar alguns de fora, e muitos infelizes. A polêmica continua.

* * *

George Bush deu uma passadinha por Montréal, e causou muita comoção. Ele deu uma palestra no Hotel Reine Elizabeth, do lado do meu trabalho, e havia ruas interditadas, polícia pra todos os lados, e previsão de distúrbios. No escritório, recebemos um e-mail avisando que as manifestações poderiam atrapalhar o trabalho, e eu até fiquei tentado de ir lá jogar um sapato nele, mas achei melhor ficar quietinho na minha.

* * *

E essa semana nevou! Eu nunca paro de me impressionar como as pessoas ainda se assustam com isso. É como se durante o verão a população se esquecesse que o inverno existe, que ele é longo, e que a neve é abundante. Alguns parecem esperar que pularíamos o frio todo e chegaríamos magicamente na primavera. No trabalho, ficou um bando gente nas janelas, bebericando café, e contemplando o fenômeno.
Rapidinho mandei uma mensagem de texto pra Gabi, e nós devíamos ser os únicos contentes com a situação. A neve quer dizer que daqui a pouco vamos esquiar!

2 comentários:

Taty disse...

se o quebec não tentar ao máximo preservar o francês a língua da rainha vai dominar com certeza (mais fácil de aprender, além de ter a pressão lateral (da parte anglófona) e do "tio sam" "por baixo"...

te uma música do mes aïux (na verdade é uma carta, de um começo de um show...) que fala exatamente sobre isso....

beijcoas

Thiago disse...

Ah saquei. Você tá achando que é o único que esquia por essas pairagens né? :)
Abs!