domingo, 25 de outubro de 2009

A semana em Montréal

A luta política das línguas ressurge de tempos em tempos. A famosíssima Lei 101 (La charte de la langue française) estabeleceu em 1977 que a única língua oficial no Québec é o francês. Nas escolas públicas, há uma longa lista de requisitos que um aluno deve possuir para ter o direito de ser educado em inglês. Com isso, muitos pais ficaram descontentes (alguns brasileiros com filhos que eu conheci morando aqui nem admitiam a hipótese do filho não ser educado em inglês), e alguns deles passaram a usar uma brecha jurídica para escapar da situação: os pais matriculavam os filhos em escolas particulares em inglês por alguns meses, e garantiam o direito que a criança tem de terminar de receber sua educação na mesma língua em que começou. Direito assegurado, os filhos eram matriculados no sistema público. Em 2004 veio a lei 104 para fechar essa brecha. Mas essa semana a Suprema Corte canadense declarou a lei 104 inconstitucional, e o Québec vai ter que obedecer e mudá-la, provavelmente tentando chegar num acordo no meio termo.
Eu estou do lado do Québec. A língua oficial é o francês e pronto, mas é difícil acomodar os anglófonos sem deixar alguns de fora, e muitos infelizes. A polêmica continua.

* * *

George Bush deu uma passadinha por Montréal, e causou muita comoção. Ele deu uma palestra no Hotel Reine Elizabeth, do lado do meu trabalho, e havia ruas interditadas, polícia pra todos os lados, e previsão de distúrbios. No escritório, recebemos um e-mail avisando que as manifestações poderiam atrapalhar o trabalho, e eu até fiquei tentado de ir lá jogar um sapato nele, mas achei melhor ficar quietinho na minha.

* * *

E essa semana nevou! Eu nunca paro de me impressionar como as pessoas ainda se assustam com isso. É como se durante o verão a população se esquecesse que o inverno existe, que ele é longo, e que a neve é abundante. Alguns parecem esperar que pularíamos o frio todo e chegaríamos magicamente na primavera. No trabalho, ficou um bando gente nas janelas, bebericando café, e contemplando o fenômeno.
Rapidinho mandei uma mensagem de texto pra Gabi, e nós devíamos ser os únicos contentes com a situação. A neve quer dizer que daqui a pouco vamos esquiar!

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Tango

Eu e a Gabi, dançando tango. Outras fotos nossas aqui.
Domingo de chuva, frio, vento, e lá vamos eu e Gabi cruzar a cidade para irmos para o nosso ensaio de tango. Desde que começamos o segundo nível, e que temos direito a três horas de prática aos domingos para complementarmos a aula na segunda, sempre aparece alguma desculpa, e a gente não vai. Desta vez, desculpa não faltava, mas com medo de fazermos feio ao dançar com outras pessoas na aula, decidimos nos obrigar.
Mas como desgraça pouca é bobagem, o ensaio daquele dia havia sido cancelado, e obviamente que só descobrimos isso chegando lá. Gordos que somos, precisávamos de algo para nos alegrar: para não perder a viagem, demos uma passadinha no Yeh! para tomar um frozen yogourt e voltar para casa de estomâgo cheio, consciência pesada, mas alma lavada.

Adivinha qual pote é de quem.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Ponto de vista


Place Ville Marie [mapa], no meio da névoa matinal que andava se instalando nesses dias chuvosos e de frio.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Dia ruim...


Bad day, looking for a way,
home, looking for the great escape.
Gets in his car and drives away,
far from all the things that we are.
Puts on a smile and breathes it in
and breathes it out, he says,
bye bye bye to all of the noise.
Oh, he says, bye bye bye to all of the noise.

Hey child, things are looking down.
That’s okay, you don’t need to win anyways.
Don’t be afraid, just eat up all the gray
and it will fade all away.
Don’t let yourself fall down.

Bad day, looking for the great escape.
He says, bad day, looking for the great escape.
On a bad day, looking for the great escape,
the great escape.
Patrick Watson - The Great Scape