quarta-feira, 18 de março de 2009

Operação

Eu comecei a usar óculos aos 6 anos, quando a tia da primeira série percebeu que eu não estava dando conta de ler a lousa depois de ter sido mandado para a última fileira da classe por conta da minha estatura. E desde cedo eu já cogitava a possibilidade de fazer a cirurgia de correção da miopia e astigmatismo. No começo, meu oftalmo me dizia que era necessário esperar até os 18 anos, pois a minha visão continuaria diminuindo enquanto eu estivesse crescendo. Depois que parei de crescer, ainda era preciso esperar um pouquinho mais, pois o meu grau ainda não havia estabilizado, e aumentava ou diminuia um pouquinho entre cada visita.
Nos últimos anos eu tinha meio que esquecido dessa história, talvez por causa da minha boa adaptação com lentes de contato. Mas de uns tempos para cá eu tenho andado com dificuldade de trabalhar com as lentes, meus olhos ficam muito secos na frente do computador, e eu não enxergo direito. Ou seja, lentes de contato só eventualmente, ou eventos sociais.
Mas semana passada eu revoltei, e fui numa clínica de cirurgia de olhos para avaliar a possibilidade de uma intervenção que pudesse corrigir a merda toda. E as notícias não foram as melhores.
Sim, eu posso operar, só que a lista de poréns é grande, tudo por causa do meu grau ser muito alto. Primeiro, a cirurgia custaria $3500, um dinheiro que não tenho. Segundo, que é provável que a minha visão regrida um pouco depois da cirurgia, ou seja, é quase impossível que eu tenha visão perfeita, mas não é possível avaliar o quanto de imperfeição vai voltar: talvez eu nem precise de óculos, talvez eu precise deles só para ler ou trabalhar no computador, ou talvez continue precisando deles o tempo todo. O benefício é que meu grau certamente vai diminuir, e com ele, a minha dependência do óculos (hoje eu teria problemas em voltar para casa com transporte público se eu perdesse meus óculos em algum lugar, por exemplo - esse é o grau da minha cegueira).
Mas na verdade o que mais me impossibilita são as dificuldades do pós-operatório. Nem tanto a dor, que alguns pacientes dizem ser a pior dor da vida deles por alguns dias após a cirurgia. Nem tanto o fato de eu não poder trabalhar por uns 10 dias. O problema, na verdade, é que eu viraria um vegetal por uns 3 ou 4 dias após a cirurgia, com dificuldades para abrir os olhos.
E numa situação dessas, eu só posso pensar na minha mãe por perto. Mas com ela lá no Brasil, essa empreitada começa a complicar demais. Não sei se conseguiria pedir ajuda de mais alguém que não ela. Afinal, uma vez nas trevas, é só família que nos estende a mão.

3 comentários:

guerson disse...

Eu também achei difícil usar lentes aqui - elas secam mais rápido, principalmente no inverno. Com o aumento do meu astigmatismo elas se tornaram menos uteis tambem e por um tempo eu tambem cogitei a cirurgia. Cheguei a conversar com a minha family doctor sobre isso e ela não apoiou muito a decisão. Ela tambem usava oculos e disse que tambem queria operar mas depois de fazer uma pesquisa sobre o assunto, chegou a conclusão que a possibilidade de perda da visão noturna ainda é grande, fora outros riscos. Tem também o fato de que nossa começa a deteriorar por volta dos 40 anos, o que quer dizer que mesmo que tudo dê certíssimo e a minha visão fique perfeita, as chances de ter que usar óculos para ler depois dos 40 seriam bem altas. E como ler é tudo o que eu faço na vida, isso significaria voltar a usar oculos por tempo integral.

Foi aí que desisti de vez, comprei o oculos mais escandaloso que encontrei e aceitei minha condição de quatro-olhos :)

ariana disse...

Oi Danilo, td bem?
Meu nome é Ariana e encontrei seu blog no google.
Estou precisando de dados estatisticos do Canada, sobre educacao e religiao (nao necessariamente juntos) de 2000 a 2009, para minha monografia. Sei que voce deve estar muito ocupado, mas se puder me ajudar eu agradeço.
Como voce esta estudando por ai acho que fica mais facil e conseguir alguma coisa.
Aguardo uma resposta sua.

meu email é: ariannacortes@hotmail.com
Bju

Renzo disse...

Danilo!!
Você não lembra da minha cirurgia (que você falava que era uma benção!), porque meu grau zerou totalmente? Pensamento positivo!! E, no pós-operatório, fiquei dois dias em casa, no terceiro já dirigi, e no quarto já voltei pra faculdade. Por que você não opera quando vier ao Brasil? Provavelmente será mais barato, e tão bem feita quanto aí.
Um abração!!

Renzo