terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Dia de Ano


C't'aujourd'hui l'jour de l'an
Gaie lon la, mon Joe, ma lurette
C't'aujourd'hui l'jour de l'an
Y faut changer d'maîtresse
Y faut changer d'maîtresse, mon Joe
Y faut changer d'maîtresse

Échangera qui voudra
Gaie lon la, mon Joe, ma lurette
Échangera qui voudra
Mais moé je garde la mienne
Moé je garde la mienne, mon Joe
Moé je garde la mienne

Elle a de jolis yeux doux
Gaie lon la, mon Joe, ma lurette
Elle a de jolis yeux doux
Une bouche vermeille
Une bouche vermeille, mon Joe
Une bouche vermeille

Comme il serait doux
Gaie lon la, mon Joe, ma lurette
Comme il serait doux
D'avoir un baiser d'elle
D'avoir un baiser d'elle, mon Joe
D'avoir un baiser d'elle

Mais encore bien plus doux
Gaie lon la, mon Joe, ma lurette
Mais encore bien plus doux
De dormir avec elle
De dormir avec elle, mon Joe
De dormir avec elle

Dans un grand lit blanc
Gaie lon la, mon Joe, ma lurette
Dans un grand lit blanc
Tout près d'une chandelle
Tout près d'une chandelle, mon Joe
Tout près d'une chandelle

Y faut changer d'maîtresse, mon Joe
Moé je change pas
d'maîtresse

Paul Piché - Mon Joe

É dia de ano.É preciso mudar de amante. Mas eu vou ficar com a minha.

Feliz 2009!

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Leva eu


Emmenez-moi au bout de la terre
Emmenez-moi au pays des merveilles
Il me semble que la misère
Serait moins pénible au soleil

Charles Aznavour - Emmenez-moi

Férias! Depois de alguns desencontros, acho que eu vou conseguir cair fora daqui, para o meu merecido descanso no Brasil!
Já que o Natal em família já estava completamente perdido, decidi mudar o meu vôo mais uma vez, pois não queria de jeito nenhum ter que passar uma noite em Atlanta e outra em São Paulo. Assim, saio daqui de Montréal amanhã, dia de Natal, à uma da tarde, escala rapidinha em Atlanta, e às 8 da manhã do dia seguinte já estou em Guarulhos.
Obrigado à Ester pela reza, ao Charles e à Mônica que se ofereceram de me pegar no aeroporto, ao Erick por cogitar até a hipótese de me levar de carro até Nova Iorque, e ao Louis-Philippe por me convidar a passar a ceia de Natal com a sua família. Nesta época do ano, é bom se saber bem-acompanhado.
Feliz Natal pra todo mundo!

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Epopéia

Voltar pro Brasil nessa época do ano é garantia certa de muitas emoções.
Eu estava com a passagem comprada há 8 meses, pois não queria correr o risco de acabar com datas ruins como aconteceu na minha última viagem nesta época no ano passado. Mas como a gente aprende, não há planejamento que supere completamente o risco: eu não estava contando com uma tempestade de neve.
Eu deveria ter saído de Montréal ontem, às 4 da tarde, e após escala em Nova Iorque deveria pousar em São Paulo hoje, durante o almoço. Preocupado com a neve que caia abundante desde de manhã, resolvi dar uma ligadinha para a companhia aérea antes de sair com o Erick para ele me levar ao aeroporto. Resultado: meu vôo já havia sido cancelado.
Eles me colocaram num outro vôo saindo daqui amanhã, na terça, que me deixa em Atlanta às 9 da noite. Meu vôo de lá para São Paulo só sai na manhã seguinte, e eu chego portanto às 10 da noite do dia 24 em Guarulhos. Como são pelo menos 5 horas de carro até a casa dos meus pais, vou passar a Noite Feliz num hotel na beira da estrada, esperando alguém ir me buscar na manhã de Natal.
Xinguei tanto o coitado do atendente da Delta que não tinha nada a ver com a história, que já estou mais zen. Pensei até em cancelar a viagem inteira e comprar uma outra passagem em épocas menos atribuladas, mas decidi que não valeria a pena.
Rezem por mim, amigos leitores, pois este começo de festas não anda nem um pouco festivo por aqui.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Fotos

Ganhadores do concurso de Foto do Ano 2008 da Unicef:

Garota anda descalça por uma favela em Porto Príncipe, capital do Haiti.


Sobrevivente do terremoto de Maio de 2008, em Sichuan, na China.


Homem afegão com o filho ferido nos braços.

Não dá foto de sair tirando foto pra tentar consertar esse mundo inteiro?

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Sutilmente



E quando eu estiver
Triste
Simplesmente
Me abrace

Quando eu estiver
Louco
Subitamente
Se afaste

Quando eu estiver
Fogo
Suavemente
Se encaixe

E quando eu estiver
Bobo
Sutilmente
Disfarce

Mas quando eu estiver
Morto
Suplico que não me mate não
Dentro de ti

Mesmo que o mundo
Acabe enfim
Dentro de tudo
Que cabe em ti
Skank - Sutilmente
A Mônica disse que lembrou de mim quando escutou essa música, por ela falar de um assunto recorrente em nossas conversas: o quanto muitas vezes só precisamos de apoio, e não de opiniões, sugestões, palpites. O nosso argumento é de que pouquíssimas pessoas são capazes de nos oferecer só apoio sem tentar nos convencer de suas idéias.
Lanço aqui, portanto, a campanha: 'Não quero opinião, só apoio!'. Revolucione a sua vida, seus relacionamentos, o convívio com a sua família, a interação no trabalho, repetindo essa frase a torto e direito, aos quatro ventos, para quem quiser ouvir.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Dia Internacional do Migrante

Trabalhador passa em frente a outdoor de campanha que incentiva imigrantes irregulares a deixarem a Espanha, no metrô de Madri. A Organização Internacional de Migrações (OIM) afirmou que os países devem resistir à tentação de fechar suas portas aos imigrantes nestes tempos de crise financeira e econômica. Fonte: UOL.

Tenho mais coisa pra falar sobre o assunto, mas hoje não dá tempo, deixa marcado, fica pra próxima.

sábado, 13 de dezembro de 2008

Televisão

Sem provas e com um puta frio, sentei dia desses pra assistir TV. Embora a sala de casa seja praticamente propriedade privada do Erick, pois eu normalmente fico trancado no meu quarto o tempo todo, eu consegui um tempinho em que ele desgrudou de lá pra relembrar deste passatempo. Tá certo que vira-e-mexe ela está ligada, principalmente enquanto estou na cozinha, e fico ouvindo as notícias, mas só para quebrar o silêncio do trabalho lerê.
Mas tenho passado tanto tempo no computador, que acho que desacostumei. Tentando acabar de assistir Os Incríveis (que não terminava nunca por conta dos intervalos enormes), finalmente tive uma epifania: nada mais na TV a cabo me interessa. As notícias eu leio na Internet. As séries que eu assisto também estão todas online (Desperate Housewives e Grey's Anatomy na CTV; House e The Office na Global). Filmes só no DVD ou no cinema. Pra quê pagar então?
Fui mencionar isso pro Erick mas fui cortado imediatamente: os jogos de hockey aparentemente não são facilmente substituídos por outras mídias. Inferno.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Lua

Olha só que notícia interessante: hoje, sexta-feira, a lua cheia vai coincidir com o seu perigeu, o que quer dizer que ela vai estar 14% maior e 30% mais brilhante. Tá certo que o fenômeno não é uma passagem do cometa Haley, e acontece com certa freqüência, mas ainda assim tá valendo!

Espetáculos

Fonte: G1
Tenho sentido saudades da minha finada câmera estes tempos, pois eu queria muito ter registrado duas coisas geradas pelas peripécias do frio em Montréal.
A primeira foi na noite seguida da primeira importante queda de neve da estação (foi bastante neve, mas não foi tempestade como andam falando por aí). Nevou o dia inteiro, e tarde da noite deu uma parada. A neve não foi retirada das ruas, talvez por lerdeza, ou talvez pelos responsáveis terem acreditado na previsão do tempo que anunciava chuva e temperatura de 7 graus positivos para o dia seguinte, que eventualmente derreteria todas as acumulações. Nuvens ainda presentes, e a neve ainda imaculada no chão, o reflexo das luzes torna o céu da noite muito claro e muito laranja. Seria uma bela visão do alto do Mont-Royal, por exemplo.
Outra foi que o tal dos 7 graus não veio, e a temperatuda continuou negativa, mas chegou a chover. Com a chuva, a neve das árvores foi derretendo, e congelando por causa da baixa temperatura. De manhã, todas as árvores pareciam esculturas de cristal, com uma grossa camada de gelo em volta de cada galho fininho.
Alguém por aqui chegou a fotografar alguma dessas coisas?

Dentista


My mouth is dry
My face is numb
Fucked up and spun out in my room
On my own, here we go!
Green Day - Brain Stew
Eu sei que esse ano passou tão rápido que eu nem me dei conta que deveria ter marcado meu retorno na Dra. Regina - minha dentista aqui em Montréal. Na limpeza em junho, ela me disse que eu tinha uma pequena cárie de que deveríamos cuidar em uma próxima visita minha. Seis meses depois eu lembrei, e criei vergonha na cara pra marcar.
Dentista é sempre uma emoção. Desta vez começou com a secretária dela, dizendo que a doutora tinha acabado de chegar de férias e só tinha horário pro ano que vem, e me sugeriu um outro que trabalha lá no mesmo consultório. Muitos problemas nisso tudo: primeiro, eu não gosto dessa infidelidade odontológica, acho que dentista e paciente estão juntos até que a extração do último molar os separe. Não vou ficar sassaricando e abrindo minha boca e intimidade pra qualquer um: eu queria a Regina e pronto. Nisso é que serve a brasilidade na relação: me acharam um encaixe! Hora do almoço, poucos dias depois, olha que perfeição?
Outro problema é que eu já tenho dentes sensíveis, não posso apreciar um copão de água bem gelada, não posso morder frutas que estavam na geladeira, tenho que colocar sorvete no micro-ondas, Nutella e doce-de-leite me doem até a alma: não preciso de uma 'pequena cárie' pra acidionar mais problemas, e uma vez relembrado da sua existência, tudo me parece mais exarcebado.
Daí ontem acabei com essa história, finalmente. De volta ao trabalho, anestesiado da língua até a orelha, de boca torta, babando ao beber água, tentei evitar de cruzar olhares com o povo que trabalha comigo, que me vêem como a higiene bucal personificada por eu ser o único que escova os dentes após o almoço. Achei melhor não entrar em detalhes, já é humilhante o suficiente ter tido uma cárie.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Onze do doze

Dois anos de Canadá hoje. E aniversário da minha irmã Daniela. Muitas emoções. E vamo que vamo!

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Primeiro de Dezembro



Para alertar para o Dia Mundial de Luta contra a Aids, neste 1º de dezembro, o maior monumento de São Paulo, o Obelisco do Ibirapuera, com 72 metros de altura, foi ornamentado com 12 laços vermelhos que são o símbolo do combate à doença. Segundo a Secretaria de Saúde, dados recentes mostram que o número de soropositivos cresceu entre as pessoas com mais de 50 anos no estado: o percentual passou de 4% em 1983 para 15% em 2007 (Foto: Denis Freire de Almeida/G1; Fonte: G1)