sábado, 21 de junho de 2008

Ponto de vista

Propaganda da cerveja Labatt Bleue na preparação para a festa nacional de St. Jean, neste dia 24: 'On est tous québécois, même à Montréal'. O 'Bonne 24' é um trocadilho entre o dia da festa e o número de garrafas em um engradado grande.

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Refeição

Hoje fiz minha primeira refeição no apartamento novo: um sanduíche pronto comprado no supermercado, um litro de leite, e bolacha Oreo, sentado no único assento disponível até agora, o vaso sanitário. Quando não se tem geladeira, fogão, mocroondas, pratos, copos, talheres, guardanapos, as opções de comida ficam um tanto limitadas.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Posse

What you own will end up owning you.
Tyler Durden - Fight Club
Agora é oficial, não tem mais jeito de voltar atrás, e já é tarde demais para mudar de idéia: comprei o meu apartamento.
Depois de muita pesquisa, muitas visitas, muita negociação, muita ansiedade, muita espera, hoje fui apertar a mão do vendedor na frente do tabelião, e assinar todos os papéis referentes à transferência da propriedade. E é claro, pagar uma montanha de dinheiro que nem é meu, e em tal quantidade que eu nunca vou ter. É a minha realização do sonho americano: a democratização da prosperidade através do crédito barato que nos impele a consumir e nos faz sentir ricos!
E com toda essa movimentação, hoje foi um dia de emoções. Antes de ir resolver a burocracia, eu estava tentando acreditar que estava tudo bem, mas uma desconstipação intestinal foi o suficiente para apressar a mensagem ao cérebro de que eu estava literalmente cagando de medo.
Depois do trabalho, no qual não consegui focar muito durante a tarde, passei no apartamento para ver o estado. E foi meio pesado. Eu já tinha estado lá algumas vezes, mas com todos os móveis bonitinhos, tudo arrumadinho, cheirando bem, e com os antigos donos sorrindo de orelha a orelha e estrategicamente posicionados para esconder os problemas. Que na verdade são bem poucos, mas parecem infinitamente ampliados no vazio e no ecoar dos passos: os buracos nas paredes, as manchas nas pinturas, os fios saltando aos olhos, a impressão de que nada vai caber.
Agora estou num limbo, tentando parar de enfatizar a parte ruim, e tentando me lembrar da parte boa. Da negação à aceitação em 12 horas. Acho que quero minha mãe pra me dizer que vai dar tudo certo.

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Consciência

Antes da concepção da natimorta idéia de trocar o meu curso da McGill por um MBA, a intenção era levar muito calmamente o resto das matérias que ainda me faltava, uma por vez. Mesmo que eu fosse demorar quase dois anos pra terminar, eu me dizia, eu não estou com pressa, não preciso do diploma, eu dou valor à qualidade de vida, o diploma não vai fazer tanta diferença agora que eu já estou com um emprego, e tudo mais. E todo mundo me suporta nesses argumentos.
Mas depois do balde de água fria que a faculdade jogou na minha cabeça ao me dizer que as matérias que eu já fiz não poderiam ser aproveitadas no MBA, meu espírito foi contaminado por uma ojeriza a esse curso que eu estou fazendo, e agora quero usar a técnica do band-aid, terminar o mais rápido possível para poder partir para fazer algo mais divertido ou interessante. E o mesmo povo que me apoiava antes, continua me apoiando, mas agora com os argumentos opostos: não é tão difícil trabalhar e pegar mais de uma matéria, com o término do curso virão melhores oportunidades, que não é bom ficar se alongando muito, e tudo mais. Menos o Bernardo.
O Bernardo trabalhou comigo, e bate o pé e defende a idéia de que eu tenho é que pegar leve e aproveitar a vida, que é curta demais para essas pelejas acadêmicas a que nos subtemos. Ele é o diabinho que me suspira no ouvido tudo aquilo que eu quero acreditar, mas que meu lado responsável não me deixa colocar em prática.
Neste quadrimestre de verão, tinha decidido fazer duas matérias e, por conseqüência, ir contra o Bernardo. Mas por causa de oferecimentos e pré-requisitos, só havia duas matérias que eu realmente podia pegar, então não foi muito difícil escolher o que eu ia fazer. So que essas duas são oferecidas no mesmo dia: eu acabei só com uma delas, portanto. A consciência ficou pesada. Mas eu não consigo deixar de achar bom. E o Bernardo acha graça.

sábado, 7 de junho de 2008

Tio

Um cadim atrasado, mas eu precisava anunciar que nesta semana meu número de sobrinhos aumentou em 50% com o nascimento do Lucas!