segunda-feira, 9 de junho de 2008

Consciência

Antes da concepção da natimorta idéia de trocar o meu curso da McGill por um MBA, a intenção era levar muito calmamente o resto das matérias que ainda me faltava, uma por vez. Mesmo que eu fosse demorar quase dois anos pra terminar, eu me dizia, eu não estou com pressa, não preciso do diploma, eu dou valor à qualidade de vida, o diploma não vai fazer tanta diferença agora que eu já estou com um emprego, e tudo mais. E todo mundo me suporta nesses argumentos.
Mas depois do balde de água fria que a faculdade jogou na minha cabeça ao me dizer que as matérias que eu já fiz não poderiam ser aproveitadas no MBA, meu espírito foi contaminado por uma ojeriza a esse curso que eu estou fazendo, e agora quero usar a técnica do band-aid, terminar o mais rápido possível para poder partir para fazer algo mais divertido ou interessante. E o mesmo povo que me apoiava antes, continua me apoiando, mas agora com os argumentos opostos: não é tão difícil trabalhar e pegar mais de uma matéria, com o término do curso virão melhores oportunidades, que não é bom ficar se alongando muito, e tudo mais. Menos o Bernardo.
O Bernardo trabalhou comigo, e bate o pé e defende a idéia de que eu tenho é que pegar leve e aproveitar a vida, que é curta demais para essas pelejas acadêmicas a que nos subtemos. Ele é o diabinho que me suspira no ouvido tudo aquilo que eu quero acreditar, mas que meu lado responsável não me deixa colocar em prática.
Neste quadrimestre de verão, tinha decidido fazer duas matérias e, por conseqüência, ir contra o Bernardo. Mas por causa de oferecimentos e pré-requisitos, só havia duas matérias que eu realmente podia pegar, então não foi muito difícil escolher o que eu ia fazer. So que essas duas são oferecidas no mesmo dia: eu acabei só com uma delas, portanto. A consciência ficou pesada. Mas eu não consigo deixar de achar bom. E o Bernardo acha graça.

3 comentários:

Débora disse...

Danilo,
Gostei muito do seu blog. Você escreve muito bem. Li algo que me angustiou, pq estou em processo de imigração e nada convicta. Entrei aqui, li algumas coisas e parece que algo me disse: não vá! Sou do direito e meu marido da informática. No meu caso, sei que terei que fazer o curso de novo. Ele, tentar algo na área, sabe-se lá o que. Pode me dizer onde escreveu nesse blog a verdade sobre a imigração e sua realidade aí? Tive a impressão que está sofrendo mais do que deveria e quero saber a realidade para tomar minhas decisões...Obrigada

Danilo disse...

Oi Débora,
Manda um email pra mim que a gente pode trocar informações mais detalhadas: degelocanadense@gmail.com
Um beijo,
Danilo

Moniqueta disse...

meu amigo!!!
tudo bem por aí??? mais uma vez o sufoco da consciência... pois eu vou ser bem clara!
Apoio o conselho do Bernardo! Essa vida foi feita para ser vivida... e aproveite bem afinal, o tempo passa rápido!!!
e, para completar, nada acontece por acaso, não é???
beijocas...