terça-feira, 7 de agosto de 2007

Estrelas Cadentes

Esta é uma música de um grupo québécois que está fazendo muito sucesso, chamado Les Cowboys Fringants. Eu fui no show deles em Repentigny, na Festa Nacional do Québec, e fiquei positivamente surpreso, até então eu não tinha cruzado com nada novo aqui que tivesse me impressionado tanto musicalmente. Nesta composição, que fala muito sobre o povo daqui, eu fiquei apaixonado pelo ritmo, pelo solo de acordeon, e, depois de um pouco de pesquisa, pela letra.

Des Étoiles Filantes
Letra e Música: Jean-François Pauzé
Interpretação: Les Cowboys Fringants

Si je m'arrête un instant
Se eu paro por um instante
Pour te parler de ma vie
Para te falar da minha vida
Juste comme ça tranquillement
Assim tranqüilamente
Dans un bar rue St-Denis
Num bar na rua St-Denis

J'te raconterai les souvenirs
Eu te contaria minhas lembranças
Bien gravé dans ma mémoire
Bem gravadas na minha memória
De cette époque où vieillir
Da época em que envelhecer
Était encore bien illusoire
Era ainda bem ilusório

Quand j’agaçais les p’tites filles
Quando eu brigava com as meninas
Pas loin des balançoires
Não longe dos balanços
Et que mon sac de billes
E que meu saco de bolinhas de gude
Devenait un vrai trésor
Se tornava um tesouro de verdade

Et ces hivers enneigés
E esses invernos cheios de neve
À construire des igloos
Construindo iglus
Et rentrer les pieds g’lés
Chegando em casa com os pés gelados
Juste à temps pour Passe-Partout
Bem na hora do Passe-Partout

Mais au bout du ch’min dis-moi c’qui va rester
Mas no final do caminho, me diga o que vai sobrar?
De la p’tite école et d’la cour de récré?
Da pequena escola e do parquinho?
Quand les avions en papier ne partent plus au vent
Quando os aviões de papel não partem mais ao vento
On se dit que l’bon temps passe finalement...
Diz-se que os bons tempos passam finalmente...

...comme une étoile filante
...como uma estrela cadente

Si je m’arrête un instant
Se eu paro um instante
Pour te parler de la vie
Para te falar da vida
Je constate que bien souvent
Eu constato que bem freqüentemente
On choisit pas, mais on subit
A gente não decide, mas se submete
Et que les rêves des ti-culs
E que os sonhos das crianças
S’évanouissent ou se refoulent
Desaparecem ou são reprimidos
Dans cette réalité crue
Nesta realidade crua
Qui nous embarque dans le moule
Que nos coloca no molde

La trentaine, la bedaine
Os trinta anos, a barriga
Les morveux, l’hypothèque
Os pivetes, a hipoteca
Les bonheurs et les peines
As felicidades e os sofrimentos
Les bons coups et les échecs
Os bons golpes e as derrotas

Travailler, faire d’son mieux
Trabalhar, fazer o seu melhor
En arracher, s’en sortir
Se desvencilhar, se livrar
Et espèrer être heureux un peu avant de mourir
E esperar ser feliz um pouco antes de morrer

Mais au bout du ch’min dis-moi c’qu’y va rester
Mas no final do caminho, me diga o que vai sobrar?
De notre p’tit passage dans ce monde effréné ?
De nossa pequena passagem neste mundo sem freios?
Après avoir existé pour gagner du temps
Depois de ter existido para ganhar tempo
On s’dira que l’on était finalement...
Vamos dizer que éramos finalmente...

...que des étoiles filantes
...somente estrelas cadentes

Si je m’arrête un instant
Se eu paro por um instante
Pour te parler de la vie
Para te falar da vida
Juste comme ça tranquillement
Assim tranquilamente
Pas loin du Carré St-Louis
Não longe do Carré St-Louis

C’est qu’avec toi je suis bien
É que com você eu fico bem
Et que j’ai pu’l’goût de m’en faire
E que eu não quero mais me preocupar
Parce que tsé voir trop loin
Porque, veja, olhar muito longe
C’pas mieux que r’garder en arrière
Não é melhor do que olhar para trás

Malgré les vieilles amertumes
Apesar dos velhos rancores
Et les amours qui passent
E dos amores que passam
Les chums qu’on perd dans’ brume
Dos amigos que perdemos na bruma
Et les idéaux qui se cassent
E dos ideis que se quebram

La vie s’accroche et renaît
A vida se segura e renasce
Comme les printemps reviennent
Como as primaveras voltam
Dans une bouffée d’air frais
Em um sopro de ar fresco
Qui apaise les cœurs en peine
Que acalma os corações em sofrimento

Ça fait que si à’ soir t’as envie de rester
Então se hoje à noite você tem vontade de ficar
Avec moi, la nuit est douce on peut marcher
Comigo, a noite é doce, nós podemos caminhar
Et même si on bien que tout dure rien qu’un temps
E mesmo que saibamos que tudo só dura um tempo
J’aimerais ça que tu sois pour un moment…
Eu gostaria que você fosse por um momento

...mon étoile filante
...minha estrela cadente

Mais au bout du ch’min dis-moi c’qui va rester…
Mas no fim do caminho, me diga o que vai sobrar
Mais au bout du ch’min dis-moi c’qui va rester…
Mas no fim do caminho, me diga o que vai sobrar

...que des étoiles filantes
...além das estrelas cadentes

6 comentários:

Ester Macedo disse...

Ai, que bonito...

Alexander disse...

:o(

Les trois amis disse...

Posso perguntar uma coisa sobre o seu blog? Como vc fez pra colocar a temperatura? Queria colocar no meu a temperatura do Rio e de Montreal, que é onde pretendo morar...

Será que vc poderia me ajudar, se não te for incomodo?

beijos,

Ingrid

jpauloweb disse...

Dan, Blz tudo bem ? tenho 23 anos e moro em brasília... vc pode me add no msn para eu tirar algums dúvidas com vc sobre o processo de imigração, como é o canadá etc...


se possível serei muito grato.

João Paulo

msn : jpauloweb7@hotmail.com

Vanessa e Muryllo disse...

Olá,

É a primeira vez que visito seu blog. Curti as coisas que vc escreve, adicionei seu blog ao nosso.
Tudo de bom e um abs de SP (ainda hehe).

Bruno Mendes disse...

Ai, ai, a vida...
Mais um amigo se vai com a esposa para longe, rumo ao objetivo certo, eu continuo no caminho incerto, sem saber se um dia vou encontrar alguém que acabe com meu egoísmo.
Dizem que é o tal retorno de Saturno. Se bem que Marte é quem deu as caras por aqui.