sexta-feira, 2 de março de 2007

Achados e perdidos

Eu não poderia ter escolhido um dia melhor para ter uma perda temporária da consciência devido a uma anemia cerebral passageira, culminante no extravio da minha carteira: era dia de pagar o aluguel, e ela estava recheada de dinheiro. Quando cheguei em casa e dei falta da bendita, refiz o caminho desde a banca onde tinha usado dinheiro pela última vez: sala de aula, banheiro da faculdade, cantina, corredores. Nenhuma sorte.
Passei por todas as fases da perda em poucas horas: choque (:-O), negação ("Deve estar em algum lugar aqui em casa."), raiva ("@#%&*!!!"), barganha ("Deus, traga de volta a minha carteira que eu serei um bom garoto."), depressão ("Ai de mim..."), e finalmente aceitação de que os 500 dólares e todos os documentos importantes que provam a minha situação legal no Canadá estavam perdidos para todo o sempre.
Tentei até achar sentidos espirituais para a perda, acreditando que esta experiência haveria de ter uma razão, um significado, talvez um sinal que a vida neste mundo capitalista onde se prega o apego ao dinheiro e aos bens materiais que ele traz não seja a opção ideal de felicidade.
Quando os meus laços psicológicos e biológicos (por quê não?) tecidos em relação aos bens perdidos haviam sido finalmente purgardos do meu organismo, recebo uma ligação do pessoal de segurança da faculdade dizendo que um aluno havia encontrado a minha carteira, e entregado a um professor. Liguei para o professor, que me confirmou que nada havia sido retirado de lá de dentro, e que me devolveu a bendita ontem, na faculdade.
Não quero traçar conclusões sobre a honestidade dos povos, e as suas diferenças, mas é bom saber que hoje eu posso esperar este tipo de atitude de estranhos.

4 comentários:

Diniz disse...

Dan,

Isto pode até ter sido uma exceção a regra (o que não acredito que seja) mas que é bom la isto é, acho que é isto que procuramos, o que não é meu, literalmente não me pertence.

Odeio a frase "achado não é roubado"....

Diniz

Anônimo disse...

triste pensar que a gente está tão acostumado a coisas diferentes nessa nossa terrinha daqui... Talvez por isso sua surpresa, aliás, grata surpresa, não???
Adoro finais felizes!!!hehehehe...
Moniketa

Dani pedrinha disse...

Oi Dan, obrigada pela visita e pelos desejos de sucesso. Mais alguns brasileiros nas terras geladas! abraços

Mara disse...

Amor da mamãe, aida bem q tem gente honesta neste mundo ainda.... Graças a Deus vc se livrou de grandes problemas... bjos